segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Jack, O Estripador


   Aviso: Essa postagem contêm imagens que podem ser consideradas fortes para alguns!!!

   Mesmo mais de um século depois, "Jack, O estripador" continua a fascinar os pesquisadores profissionais de perfis criminais. Os crimes cometidos por esre assassinto vitoriano provocaram uma onda de pânico no east end, de Londres, na segunda metade de 1888. O caso é departicular interesse para os profissionais porque resultou na primeira tentativa documentada de criar um perfil psicológico de um seral killer.


   Entre agosto e novembro, cinco mulheres - todas prostitudas famosas- tiveram suas gargantas brutalmente cortadas e depois os corpos de quatro delas foram horrivelmente mutilados. Na manhã seguinte ao primeiro assassinato, uma matéria de jornal afirmou: "nunca um assassino foi mais sangrento nem mais brutal". Nesse assassinato e em outro uma semana depois, o abdome da mulher foi aberto com uma faca, mais as mutilações iam se tornar ainda mais terríveis. O temor popular foi reforçado três semanas mais tarde, quando a Central News Agency recebeu uma cartaassinada por Jack, o estripador, ecrita em tinta vermelha. A carta dizia: "Vcs vão ouvir de mim e das minhas brincadeirinhas. Guardei um pouco do negócio vermelho numa garrafa de cerveja durante o último serviço que fiza fim de escrever, mas engrossou feito cola e não posso mais usá-lo. Espero que a tinta vermelha seja suficiente. Ha ha."


  No último dia de setembro, apenas dois dias depois do recebimento desta carta, os corpos de mais duas mulheres foram descobertos. No dia seguinte, a Centra News Agency recebeu um cartão-postal com a mesma caligrafia da carta, e, aparentemente, com manchas de sangue. Dizia: "vcs vão ouvir falar do trabalho do atrevido Jack amanhã, evento duplo desta vez..."


   A maioria dos especialistas está agora convencida de que a carta e o cartão-postal foram uma farsa, cometida por um jornalista para aumentar o interesse no caso, mas uma outra carta, aparentemente com outra caligrafia, foi enviada duas semanas mais tarde a um membro do recém-criado as pressas comitê de vigilância. Com data "do inferno" e assinado "apanhe-me quando puder", com um presente horrível: metade de um rim humano.


O quinto assassinato - o último atribuido de fato ao estripador - foi o mais terrível de todos. O assassinato ocorreu no quarto alugado da mulher e o Estripador teve muito tempo para realizar seu sangrento serviço. A cabeça foi quase que separada do corpo, partes foram cortadas, e grande parte da carne foi despojada e colocada sobre uma mesa numa grande poça de sangue. Neste momento, a polícia já especulava sobre a possibilidade de o assassino ser mesmo um membro da clásse médica.





O cirurgião da polícia que ajudou na autópsia da quinta vítima foi o Dr. Thomas Bond.


 Ele foi inicialmente chamado para dar um depoimento sobre o conhecimento cirúrgico do assassino, mais ele foi além e deu a polícia uma descrição do assassino. Afirmando que todos os cinco assassinatos foram cometidos pela mesma pessoa, ele disse aos investigadores:

   "O assassino deve ter sido um homem forte, ousado e frio. Não há evidências da existência de um comparsa. Na minha opinião, deve ser um homem que sofre ataque regulares de vontade homicida e erótica. O estilo das mutilações indicam que ele pode estar em uma condiçãosexual que pode ser chamada de satiríase (patologia sexual, caracterizada pela insaciabilidade do homem).
Claro que é possível que o impulso homicida possa ter se desenvolvido a partir de um desejo de vingança ou por um espírito taciturno ( Que fala pouco, calado, silencioso. Triste, tristonho, sombrio),ou uma mania religiosa pode ter sido a doença original, mas não creio, que uma dessas hipóteses sejam verdadeira. Ele deve ter uma aparência inofensiva e passiva, provavelmente de meia idade, e com roupas arrumadas e limpas. Acho que pode ter o costume de usar uma capa ou um sobretudo, ou dificilmente poderia ter escapado pelas ruas se o sangue em suas mãos ou em suas roupas fossem visíveis. Supondo que o assassino seja uma pessoa como essa que acabo de descrever, ele seria solitário e de gostos excêntricos; é provável que seja um homem sem um trabalho regular, mas com pequenos rendimentos ou algum tipo de pensão. Possivelmente mora com pessoas respeitáveisque sabem alguma coisa de seu caráter e dos seus hábitos e que podem suspeitar que as vezes ele não é senhor de si. Essas pessoas não estão dispostas a procurar a polícia para evitar problemas e por receio, coisa que poderia se resolver se houvesse uma chance de ganhar uma recompensa. Considero que o estripador possa ter- pelo menos- certa expêriencia profissional cortando e preparando carne ou peixe. Em cada caso, a mutilação foi feitapor uma pessoa que não tem conhecimentos anatômicos ou científicos. Na minha opinião, ele não possui nem os conhecimentos técnicos  de um açogueiro ou de um funcionário de abatedouro, ou qualquer pessoa acostumada a esquartejar animais mortos."

   Apesar da orientação dada pelo Dr. Bond, a polícia nunca pegou o estripador. Houve outros homicídios, mas nenhum deles teve as mesmas características de execução.


No final de setembro de 1888, quatro prostituas haviam sido mortas pelo assíduo Jack, o Estripador. Esses quatro assassinatos foram cometidos em espaços abertos, como neste exemplo acima, mas o quinto - e o último a ser atríbuido a Jack - aconteceu no local aonde a mulher morava.

   Ao longo dos anos, os pesquisadores pensaram em dezenas de possíveis suspeitos, desde uma parteira louca até o princípe Albert Victor, neto da rainha Victoria.


A escritora de romances policiais Patricia cornwell escreveu em seu livro Jack, o estripador, retrato de um assassino (2002), que tinha certeza de que o famoso pintor Walter Sickert era o assassino.







Até o FBI ofereceu sua avaliação, por ocasião do Centenário do Estripador - uma explicação muito semelhante com aquela do Dr. Bond. Mas só uma coisa é certa: a identidade real de Jack, O Estripador, nunca será comprovada.


   Uma das vítimas de Jack, Catherine Eddowes.


   Mary Nichols, a primeira vítima de Jack.




Elizabeth Stride , a terceira vítima de Jack e abaixo seu túmulo:






   Aqui uma rua de White Chappel, Londres em 1905:




Aqui alguns suspeitos de terem sido o próprio Jack, O Estripador:






   E essa foi uma pequena "homenagem" do Blog Dossiê Red John ao mais famoso Serial Killer de todos os tempos.

Um comentário: